TASH & TOLSTÓI: O MUNDO É FEITO DE RELACIONAMENTOS

maio 05, 2018

"Se você quer ter uma chance de ser feliz, simplesmente exista. Porque, sim, a vida pode ser uma droga, mas, desde que você esteja vivo, a chance de ser feliz existe."
- Tash & Tolstói, cap. 28


Natasha "Tash" Zelenka é uma menina do seu tempo. Com dezessete anos, ela se prepara para o último ano do ensino médio e sonha com a faculdade dos seus sonhos, a Vanderbilt. Só que como toda a sua geração, Tash não precisa esperar para se formar para conseguir realizar outros tipos de sonhos e desejos, Tash junto com a sua melhor amiga, Jack, criam uma websérie baseado em "Anna Karenina", romance do seu autor favorito Liev Tolstói. Depois de uma youtuber famosa indicar "Famílias Infelizes" em um de seus vídeos, Tash e Jack se encontram no meio de uma fama instantânea e milhares de novos seguidores criando fanart e ships para os personagens da série. Além disso tudo, Tash tem que lidar com a partida de sua irmã para a faculdade e a relação por um fio entre as duas, a chegada de um novo membro inesperado para a família, a situação na casa de seus melhores amigos e qual é o seu papel nisso tudo enquanto ela mesmo tenta se resolver em seu próprio mundo sem perder o controle.

A internet tem um peso enorme em tudo isso. É possível ver como a história trata a internet e o seu universo como algo que faz parte da realidade de Tash sem separar a questão da realidade virtual e a realidade real, que quase não existe entre as novas gerações e é interessante ver como esse mesmo ponto afeta a realidade dos pais de Tash, os adultos do livro, que não entendem muito bem como esses mundos se misturam. Depois do boom de "Famílias Infelizes", a relação de Tash com a internet passa a ser de uma forma mais profissional, porém algo do seu passado recente ainda permanece na forma de sua amizade com Thom Causer, outro youtuber que ela conheceu enquanto cuidava de seu outro canal "Chá com Tash". É interessante ver como a webfama interfere na vida das pessoas que produzem o conteúdo, se você não faz a menor ideia de como isso funciona nos bastidores e a consequência disso, principalmente no retorno das pessoas, seja na forma de críticas ou de agressão verbal, os famosos haters.

Mesmo Kathryn Ormsbee, autora de "Tash & Tolstói", afirmando que o livro não é own voices (ou seja, foi escrito em uma perspectiva pessoal, que reflete a realidade de Kathryn particularmente), existem muitos traços da vida dela que é reproduzido no livro (como a criação de uma websérie de baixo orçamento) e muitas cenas são escritas com tantos detalhes e delicadeza que só é possível se feito com um nível extramente pessoal de conhecimento. Kathryn se identifica como demi/bi e não é muito difícil se identificar com Tash, que se identifica como assexual heterorromântica, se você se identifica em algum lugar no espectro assexual/arromântico. Para escrever o livro, Kathryn teve que usar suas próprias experiências, as experiências de amigos e leitores sensíveis para transformar o livro no mais identificável possível para ninguém mais ninguém menos que ela mesma, a Kathryn adolescente.

A orientação sexual de Tash é muito importante para sua relação com as pessoas, uma vez que nós vivemos em um mundo alossexual, mas, como Kathryn mesmo diz, ele não é o principal de sua vida, é apenas uma faceta dela. É interessante ver como diferentes pessoas igualmente importantes da vida de Tash reagem quando ela traz a questão da sua assexualidade; a forma como Jack reage é diferente da forma como Paul, seu irmão e melhor amigo de Tash, reage, e como Thom, o crush virtual, reage ao Tash contar sobre. Todos eles são reações totalmente reais e mostra como não importa o quão a pessoa é próxima de você, sempre vai ter a influência da grande sociedade nas nossas ações; mesmo quando temos as melhores intenções, tudo está tão impregnado na gente desde o nascimento, que entender coisas que não estamos acostumado leva tempo. E como essa mesma concepção afeta Tash, como ela já se preparou para um único tipo de reação e a sua própria reação para reações contrárias não fazem muito sentido.

A internet tem uma importância também para essa parte da vida de Tash. Entre tantas dúvidas, é na internet que ela busca informações e encontra os lugares certos para se entender e compreender tudo aquilo que estava vindo à tona. O fato de Tash ter encontrado um rótulo e ainda não estar totalmente confortável com a sua identificação e, em algumas passagens, nem ela mesmo sabe explicar para as outras pessoas o que é assexualidade é para mostrar que ninguém tem muita certeza de nada e que a cada dia estamos aprendendo mais sobre nós mesmo. Está tudo bem duvidar, questionar, não saber sobre tudo de uma vez. Está tudo bem ter certeza em um dia e não ter mais no outro.

"Tash & Tolstói" é um livro sobre crescer e relacionamentos. A forma como a nossa vida está além de relacionamentos românticos, mas ainda sim tudo é relacionamento, seja a nossa relação com a irmã ou com a melhor amiga, seja com o melhor amigo da vida inteira ou com o crush virtual que se abre como se conhecessem há anos, seja com os pais que estão do nosso lado ou com os avós que estão do outro lado do mundo, seja com os nossos ídolos ou com os nossos fãs (se você tiver uma websérie de sucesso). A base da nossa existência é feita com relacionamentos e nada existiria se não existem conexões entre pessoas; e o livro mostra que não é sempre fácil, mas é isso que nos motiva a fazer as coisas e seguir em frente: as amizades, os relacionamentos que temos com outras pessoas.

Não é tão comum ver livros com personagens assexuais por autores dentro do espectro assexual, nem o assunto é tão falado e discutido na cultura pop em geral e acredito que isso colabora para essa estranheza que existe quando pessoas do espectro assexual lida com sentimentos e outros aspectos que são ligados com atração sexual e/ou romântica. Livros - e outras mídias também - nos ajudam a começar um diálogo e a se identificar em iguais e a normalizar tudo o que acontece dentro de cada um de nós. E é por isso que coisas assim devem ser produzidas frequentemente, o tempo todo. Porque é algo que acontece poucas vezes. Quando a gente se conecta com algo em um nível tão pessoal e é quando você percebe que existe esse lugar em que as coisas são feitas para você, não especialmente para você, mas ainda sim feitas para você e que talvez, um dia, existam mais coisas assim. Mesmo que não seja 100% a sua vida, ainda tem pequenos pedaços que nada nunca antes foi feito com tanta precisão dos seus sentimentos. E é exatamente disso que a gente precisa.

  Título: Tash & Tolstói
  Título original: Tash Hearts Tolstoy
  Autora: Kathryn Ormsbee
  Tradutora: Lígia Azevedo
  Editora: Seguinte
  Ano: 2017
  Nota: 5/5

0 comentários

POSTAGENS POPULARES