ESTAS ALEGRIAS VIOLENTAS, TEM FINS VIOLENTOS

agosto 04, 2016

No mês passado, eu finalmente lutei forte com o meu péssimo hábito de leitura que está acontecendo no último ano e comecei a ler Romeu & Julieta. Assim como a maioria das pessoas, eu já sabia a história de Romeu e Julieta de cabeça aos pés, de trás para frente apenas com o que a gente escuta ou releituras em todas as formas de entretenimento possível - então as minhas expectativas não estavam muito altas.

Sobre Shakespeare, eu não tenho nada para acrescentar. Eu tenho essa mania de gostar muito de autores mesmo sem ler nada deles, porque eu me interesso muito pela vida deles e, como escritora, eu preciso de vidas para me inspirar e me dar forças para chegar em algum lugar. Assim como Shakespeare, Jane Austen é alguém que me inspira e me incentiva e até hoje eu não fui cabeça dura o suficiente para terminar um livro dela - um dia eu chego lá. Eu tenho essa coisa de me inspirar muito em autores clássicos, em suas vidas; Lucy Maud Montgomery, as irmãs Brontë, Edgar Allan Poe, etc.
O que eu quero falar hoje é sobre Julieta e seu Romeu. Sobre dois jovens loucos pelos seus sentimentos de jovens. Amor é uma das coisas mais difícil de se conversar, para mim; é um campo desconhecido e que eu não tenho prazer algum em conhecer - talvez curiosidade, mas eu tenho curiosidade em várias coisas, não quer dizer que eu vou atrás delas.
Todos os jovens acham que qualquer coisa que eles fizerem vão determinar o resto de suas vidas. É assim que nós somos: impulsivos. Nós queremos tudo pronto e agora e já e se não for desse jeito nós vamos sofrer para sempre! As circunstâncias das coisas mudaram daquela época para hoje, mas os jovens continuam jovens.
No livro, podemos ver o Frei aconselhando Romeu o tempo todo sobre ele ter que parar um segundo e pensar naquilo, ver se aquilo era que ele sentia por Julieta era mesmo o amor verdadeiro - porque, convenhamos, todos sabiam da reputação de Romeu. Todos os momentos em que Romeu tem a chance de falar sobre Julieta, ele fala sobre sua aparência física e coisas superficiais, porém ele fala de forma tão apaixonante e verdadeira que caímos naquilo.
Julieta tem apenas treze anos e nunca é falado no livro a idade de Romeu, mas os boatos é entre quinze a vinte anos; ou seja, ele é bem mais velho que ela e com certeza tem mais experiências que ela. Julieta é levada naquela paixão adolescente e segue com aquilo que o seu coração pede e Romeu também, porque os dois são jovens e jovens cometem loucuras.
Romeu & Julieta não é uma história sobre o amor verdadeiro. Romeu & Julieta é uma história sobre o amor jovem e imprudente, é uma história sobre paixão. É uma história sobre como a paixão é um sentimento tão descontrolado e cegante, como eles fazem duas pessoas fazerem loucuras para ficarem juntas. Qualquer coisa para ficarem juntas. Se Romeu amou Julieta de verdade e se Julieta amou Romeu de verdade, nós nunca saberemos e tem gente que acredita que sim e outras que acreditam que não.
Eu acho que o que Shakespeare tentou mostrar foi um episódio de dois jovens e como os sentimentos atrapalham ou contribuem para as nossas atitudes. "Jamais houve história mais dolorosa que esta de Julieta e seu querido Romeu", a paixão não é um sentimento que vem limpo, é algo doloroso e consequências acontecem. É isso que Shakespeare nos mostra com essa obra, Romeu e Julieta se apaixonaram e a paixão levaram todos à loucura.
Em uma parte, o Frei diz uma das minhas frases favoritas: "estas alegrias violentas, tem fins violentos", porque é assim que a paixão deles são, chegou violentamente e inundaram os dois com todos aqueles pensamentos e sentimentos e terminou de maneira violenta. A paixão é algo volátil, inconstante, e talvez seja isso que seja tão excitante nele.
Se Romeu e Julieta teriam algum futuro, eu não sei. Mas eles viveram intensamente aquilo que eles acreditavam naquele momento como dois jovens viveriam e eles foram até o fim com aquilo que eles acreditavam.

0 comentários

POSTAGENS POPULARES

SIGA NO TWITTER