PLUVIOPHILE

janeiro 14, 2016

Depois do último post com a crônica Wanderess, eu recebi feedback maravilhoso e fiquei bastante animada para escrever mais coisas dessa forma. Na verdade, eu sempre estou pensando em textos assim, mas acho tão mais complicado de colocar no papel e deixá-lo com o meu grau de intensidade de quando ele está preso na minha cabeça. Então, essa semana, eu estava fazendo a minha visita diária ao Pinterest - minha nova paixão - e encontrei aquelas coleções de palavras "estranhas" e únicas que definem algo; eu amo essas palavras, porque ninguém realmente conhece elas, mas são sensações que todo mundo tem.
Wanderess é uma delas. Wanderlust é a vontade que sentimos de sempre estar conhecendo novos lugares e, com ele, tendo novas experiências e wanderess é uma mulher (o masculino da palavra é wanderer) que tem essa necessidade de viajar, conhecer lugares e, principalmente, se conhecer. Eu realmente amo essa palavra e tudo o que ela significa.
A palavra que eu me inspirei para a crônica de hoje foi pluviophile, que significa uma pessoa que é apaixonada pela chuva e a sensação de paz e alegria que a chuva traz. A primeira vez que eu encontrei essa palavra, eu fiquei encantada, porque é uma palavra que define uma sensação tão bonita.
Eu não sei se esse negócio de definições servindo de inspiração para crônicas vai virar algo, porque eu não quero me forçar para escrevê-las, eu quero deixar para o momento dizer. Estou feliz por enquanto. Espero que gostem da crônica!


PLUVIOPHILE
por tatii alves

Em um dia chuvoso tudo parece ser mais pleno, mais calmo, mais harmonioso. O barulho da água caindo e tocando o chão, o simples barulho das suas risadas pela grande aventura que estão tendo; o céu todo acinzentado pelo encontro das nuvens chorosas, como se tivessem contando seus problemas e, então, liberando toda a sua dor através de gotas d’água; e a brisa fria que entra pela fresta da janela e causa um leve arrepio na nuca desprotegida.
Dentro de casa, o leite quente com canela é preparado com o cheiro que invade todo o ambiente, o moletom é posto de modo mais confortável para que cada segundo seja aproveitado. O livro com seu aroma especial e sua trama instigante é a prioridade nesses momentos, como se a chuva colaborasse com o narrador e seus personagens e toda a história se desenrolasse perfeitamente.
A sensação de que tudo age da forma correta, como deveria ser. A esperança de que tudo pode melhorar, que o dia de amanhã será melhor. No meio da chuva, tem a dança, com os pés livres e a saia rodada, girando e girando entre os pingos gritando vida nova para quem quiser escutar.

2 comentários

  1. *solta um gritinho* Oi, tatii
    Eu já estava superanimada para ler essa crônica, desde o teaser no Snap e ficou tão linda que eu favoritei e vou reler a cada dia de chuva. Aqui anda chovendo quase todo dia, então isso significa que eu lerei provavelmente todo dia até o fim do verão.
    Espero que a criatividade para crônicas continue e a gente continue podendo ler textos tão incríveis que só fazem melhorar nosso dia<3
    G.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tatii!
    Adorei ver crônica nova aqui. Amei a última, embora não tenha deixado nenhum comentário. E me identifico com as duas!

    Essas palavras são maravilhosas,a té coloquei uma intitulando meu blog!
    Enfim, espero que a criatividade continue surgindo come las e mais crônicas assim venham! :)

    ResponderExcluir

POSTAGENS POPULARES

SIGA NO TWITTER