QUEM EM SÃ CONSCIÊNCIA ESCREVE UM LIVRO EM 15 DIAS

novembro 15, 2015

E acabou mais uma semana de NaNoWriMo. E talvez a melhor e pior semana de todas. Calma, vamos recapitular.
Todo mundo diz que a primeira semana é todo mundo alegre e animado, já a segunda semana é um mar de desistência e desanimação. Já provamos novembro, agora pode parar! Eu estava com muito medo do que viria a ser a segunda semana, porque no último ano eu não passei do nono dia e não podia deixar isso acontecer este ano.
No domingo (8), logo depois de eu publicar o post da primeira semana, eu fiquei focada em passar a meta e terminei o dia com 13.3k, o que me deixou mais feliz porque eu havia feito apenas 11k no último NanNoWriMo. Eu percebi que a minha estratégia não estava funcionando da forma como eu queria, então eu mudei radicalmente: abri um arquivo no Word e comecei a escrever a história do zero. As cenas que eu já havia feito, eu estava melhorando e as que eram novas já fui adicionando detalhes e coisas que provavelmente eu ia colocar na revisão.
Na segunda-feira (9) que as coisas começaram a desandar um pouco. Eu estou no fim da primeira parte do semestre na faculdade, o que significa provas e trabalhos finais; eu ainda estou em conflito com a faculdade e já desejei desistir milhares de vezes só essa semana; eu acabei passando muito mal no começo da semana. Eu basicamente desisti de tudo na segunda e fui escrever a minha história.
A terça-feira (10) e quarta-feira (11) foram bem corridas, porque eu tenho aula até às 18h nesses dias e tentei manter apenas a minha meta diária. Nesses dias, eu percebi que eu estava chegando na reta final da minha história e comecei a ficar com bastante medo de não conseguir atingir a meta mesmo tendo finalizá-lo a história. Foi quando eu tive a ideia de começar a construir um outro POV (ponto de vista) a partir de outra personagem. Eu não sei se essa parte vai entrar na história oficial, se vai ser apenas alguns capítulos ou se vai dar até um novo livro, mas eu achei que a personagem não tinha muito espaço na história pela história ser no POV de outra e o lado dela não ser muito esclarecido. O lado bom é que eu amo essa personagem e acho que ela merece ser ouvida mesmo que seja apenas por mim.
Na quarta-feira (11), eu ainda estava mal e estava com o pé para fora do NaNoWriMo, da faculdade e da vida que estou tendo - eu só quero minhas férias em fevereiro -, foi aí que eu li o pep talk da Stephenie Perkins. Eu nunca tive a oportunidade de ler algo da Perkins, mas eu amo o jeito dela e as coisas que eu ela escreve nas redes sociais; eu acabei descobrindo que os três livros dela foram escritos durante o NaNoWriMo e o pep talk dela me ajudou muito, era exatamente o que eu precisava ler para continuar firme em tudo o que eu estava fazendo naquele momento.
Na quinta-feira (12), eu não tive aula, mas eu desisti um pouco do dia e dormir o dia todo - o que me ajudou muito, foi algo como renovar todas as energias para continuar até o final do ano. Mesmo com pouco tempo sobrando no dia, eu consegui bater a meta dos 20k!
A sexta-feira (13) foi a mais difícil. Eu tenho uma prova na terça-feira e estava determinada estudar para ela e trabalhar na história apenas de noite/madrugada já que sábado não tem aula. No entanto, no meio de um intervalo que estava fazendo durante o estudo, eu vi o que estava acontecendo com o mundo todo - eu não vejo tanto televisão quanto eu via antes e o twitter é basicamente o que me deixa atualizada - e eu fiquei tão chocada que eu não consegui fazer mais nada naquele dia. Eu tenho muito medo do que acontece com o mundo e o que pode acontecer, eu só queria que tudo isso fosse algo de um livro de ficção e não algo que estivesse acontecendo de verdade.
Mesmo chocada com todas aquelas notícias, fotos, vídeos e comentários, no sábado (14), eu estava melhor. Eu tinha dois dias de metas para bater e não tinha certeza se iria conseguir. Faltando uma hora para o dia terminar, eu ainda tinha 1k de palavras para eu bater a meta do dia. Faltando vinte minutos, eu consigo fechar o dia com 23.5k. O diferente? Faltavam dois capítulos para serem escritos até o livro terminar. Eu disse para mim mesma que eu só iria dormir quando eu terminasse esse livro e quando deu meia-noite e meia eu havia terminado o livro.
EU TERMINEI UM LIVRO EM 15 DIAS! 15 DIAS!
Bom, eu sei que ele não está realmente pronto. Ainda existe revisão, revisão e revisão, mas a ideia geral dele está pronta. Eu demorei três meses para terminar Querida Kat antes de eu começar a revisão dele. Eu terminei esse livro com 24.1k de palavras e eu quero bater a meta do NaNoWriMo de 50k palavras, então eu vou começar a escrever cenas com o POV da Kaia e ver no que vai dar.
Para fechar essa semana cheia de altos e baixos, eu vou deixar outro trecho da história aqui para quem quiser saber como está indo a história! Esse trecho é de uma cena que eu estava na cabeça já fazia meses e eu adoro essa parte da história e queria que todo mundo conhecesse também.

- Você já se sentiu como se... Como se você não fosse a mesma pessoa? Tipo, é tudo uma novidade e parece divertido, mas tem medo do que as pessoas vão falar? – Eu soltei as palavras rápido para não perder a coragem. 
Papai suspirou e olhou fixamente para mim enquanto falava: 
- Mudar é algo que faz parte da vida, Tina. Eu não sou a mesma pessoa de dez anos atrás, a sua mãe também não é – ele colocou um tom irônico nessa parte – e nem Olga será essa pequena rebelde em dez anos. Isso é uma das coisas mais legais sobre estar vivo, é experimentar coisas novas, conhecer a si mesmo e aproveitar cada momento dele. 
- Mas... 
- Querida, a única pessoa que vai passar o resto da vida com você é exatamente você. Você terá que conviver com esse corpo até o final dos seus dias, então a única pessoa que você tem que se preocupar em agradar é você. Ter a aceitação de todo mundo pode ser algo que fará a sua vida mil vezes mais fácil, mas nós dois sabemos que isso é muito improvável, não se consegue agradar todo mundo ao mesmo tempo. A pergunta que você fazer é: você está feliz?

0 comentários

POSTAGENS POPULARES

SIGA NO TWITTER